LAPA, eu vou a

Projeto do Caleidos Cia de Dança contemplado pela 18ª edição do Programa de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo. Um diálogo por meio da arte com o bairro da Lapa.


O ponto disparador do projeto é o ir e vir a pé, criando e estabelecendo redes de relações com espaços de arte e cultura. O projeto prevê curso de formação, núcleos de pesquisa, mostras de vídeos, eventos de poesia, espetáculos de dança e palestras; todas as ações do projeto são abertas e gratuitas ou a preços populares.

Dizem que a melhor forma de conhecer uma cidade é caminhar a pé pelas suas calçadas. E é exatamente isso que o Caleidos Cia de Dança pretende fazer pelas ruas da Lapa onde fica sua sede. “Fazer uma espécie de turismo no próprio bairro; mas não um turismo qualquer, e sim um turismo que pretende estabelecer relações e redes de ação cultural pela região da Lapa” – explica a diretora da Cia Isabel Marques - “O Caleidos Cia de Dança já tem vinte anos de pé na estrada, chegou a hora de por o pé nas calçadas”.

Desde 2011 o Caleidos estabeleceu sua sede na rua Mota Pais, na Vila Ipojuca, subdistrito da Lapa, e é deste ponto que as ações do projeto da Cia. de Dança, LAPA, eu vou a pé, serão disparadas. “Pessoas de bairros distantes e até de outras cidades frequentam a nossa sede para as apresentações, cursos e encontros, mas os nossos vizinhos mal nos conhecem; e mesmo nós, chegamos, trabalhamos e saímos, mal conhecemos de fato o lugar onde estamos. Esse projeto foi proposto para modificar essa situação” – resume Nigel Anderson, produtor e bailarino da Cia.

A ideia inicial do projeto é traçar um “mapa corporal” da região. “O ponto disparador do projeto é o ir e vir a pé. Partindo do Caleidos na rua Mota Pais 213 e caminhando por 30 minutos, onde chegamos? Quem poderia chegar até nós? Pensamos no corpo como princípio geográfico – não o bairro, o distrito, a subprefeitura ou o CEP – mas o corpo em movimento, a pé; essa será a nossa área de ação. Nessa área corpórea, corporeificada, estabelecemos nossos pontos de relação com as estruturas urbanas, seja um local para fazermos uma intervenção de dança, ou estabelecer o contato com outros produtores de arte e cultura na região.” – explica Fábio Brazil, diretor da Cia de Dança e do Instituto Caleidos que dá apoio ao projeto.

“Somos artistas da dança, assim nos apresentamos e assim conhecemos a cidade e nos reconhecemos nela; pesquisamos dança, corpo, movimento e nossa intervenção sociopolítico-cultural é em forma de arte. Isso nos caracteriza e será dessa forma que vamos tentar estabelecer um diálogo com a nossa região: onde mais se dança por aqui? - escolas, Igrejas, academias, bares, centros de convivência, terreiros, clubes, casas de cultura, outras Cias de dança, estarão no nosso roteiro. Este projeto quer repensar distâncias, mobilidades e deslocamentos a partir do corpo em movimento, propõe uma geografia corporeificada e dançada na Vila Ipojuca/Lapa” – explica Isabel Marques criadora do Instituto Caleidos.

O projeto LAPA, eu vou a pé foi contemplado pela 18ª Edição do Programa Municipal de Fomento à Dança e se desenvolverá por meio de ações públicas de arte, contatos diretos com outros grupos e produtores de arte do bairro, visando a construir uma teia de relações cidadãs que permitam o conhecimento mutuo e ações conjuntas fortalecendo por meio da arte as redes de pertencimento ao espaço urbano e à cidade como um todo. Além criar e estabelecer redes de contato com espaços de arte, cultura e dança, o projeto do Caleidos Cia. de Dança pretende ampliar e aprofundar as relações que há mais de 15 anos mantém com escolas públicas da DRE Pirituba, na região da Lapa. “A questão do corpo na cidade e a questão da mobilidade social e cultural – temática em torno da qual se desdobrarão as ações artísticas, formativas e de pesquisa deste projeto – é tão atual quanto permanente. Discutir a exclusão e a inclusão do corpo nos cotidianos do bairro é um dos objetivos do projeto, principalmente por estarmos na região da Vila Ipojuca, atualmente alvo de especulação e verticalização fulminante e impiedosa”, explica Fábio Brazil, dramaturgo do Caleidos Cia.

LAPA, eu vou a pé projeta-se pelo espaço geográfico da Vila Ipojuca/Lapa por meio de ações e movimentos de conhecimento mútuo, “será também uma grande ação de partilha, partilha de espaços, partilha de trabalhos, partilha de arte e partilha de histórias. A mesmo tempo que visamos a fortalecer os vínculos de pertencimento de uma Cia de Dança Contemporânea numa determinada região da cidade, visamos também a fortalecer as outras formas de pensar e fazer dança, cultura, arte, educação e história que já atuam na região. Se por um lado o projeto conduz os artistas do Caleidos Cia ao diálogo com as estruturas físicas e sociais da região, por outro convida e oferta o Caleidos como local de encontro e partilha de arte e cultura.” – esclarece Isabel Marques.

LAPA, eu vou a pé traz o corpo como “regulador regional”, o ir e vir a pé como medida física e social, mas é claro que está aberto a toda a cidade. Com o apoio do programa de Fomento à Dança do Município de São Paulo, o Caleidos realizará nos dois anos de duração do projeto: uma mostra de espetáculos de seu repertório comemorando os 20 anos da companhia, a criação de um espetáculo inédito, ocupações artísticas em espaços urbanos da região e a criação de videodanças. Na área de formação, o projeto prevê: curso de formação de professores da rede pública, núcleos de pesquisa abertos a interessados, mostras de vídeos, eventos de poesia e palestras com especialistas para dialogar sobre as ações do projeto; todas as ações do projeto serão gratuitas ou a preços populares.

Voltar ao topo